Mundo Sortido

Mundo Sortido

quarta-feira, 19 de março de 2014

Crônicas de Academia - Botando a roupa!

Olha só, temos que pensar sempre no copo meio cheio, então...
Vamos rir das desgraças um pouquinho né...
Como eu disse, escreverei com o mesmo humor que tenho aprendido a ter com a minha gordura até que a elimine, para a diversão de vocês, assim como eu estou me divertindo ultimamente.
Se fosse há um mês atrás, com certeza eu choraria pelo que estou passando todos os dias, mas agora já aprendi a rir, e rir...
Todos os fatos que eu contarei aqui, são reflexões a respeito de como eu me vejo, e não quer dizer que eu tenha nenhum preconceito com relação a gordinhas ou magrinhas, é apenas um "ajuntado" de pensamentos que eu tenho sobre mim, de como eu me sinto a meu respeito, e de como eu preciso melhorar por mim mesma, minha saúde e meu gosto...
Agora, se você se sente da mesma forma que eu, você merece saber algumas coisas, curiosidades, regras e vários percalços que passará sendo uma gordinha em fase de transição para magrinha - se Deus me ajudar...
Nessa primeira crônica, preciso contar pra vocês sobre a roupa de academia...
Nas minhas crenças pessoais, não incluo a existência do purgatório, no entanto, a pessoa que idealizou o tecido forte das calças de academia, o tal suplex power, deveria estar lá se existisse.
Ô tecido firrrrmeee...
E é bem assim: o bom é como ele aperta tudo, você já tem aquela sensação maravilhosa de ter diminuído um número no manequim. E o ruim é como ele aperta tudo, e te desafio, com 90 kg, a entrar numa calça daquelas, mesmo que seja GG.
Isso mesmo, parecia que a bendita da calça já estava no meu pescoço, mas olhei e a calça estava onde? Ainda estava no meio da minha panturrilha...
Me olhei no espelho, e aqui é difícil fugir dele, pois as portas do guarda roupa são todas de espelho por fora, e me senti uma dragão enorme, o monstro do lago Ness com aquele pedaço minúsculo de suplex power com uma etiqueta maior que a calça, e tamanho GG bem escrito nela.
Por um momento pensei: aonde eu estava com a cabeça de entrar nessa calça e ir pra uma academia. Sobre a academia contarei nos próximos episódios, affff...
Mas voltando ao assunto, pensei: Que que eu como uma balofa gorda tô querendo entrar nessa pequena calça... Deveria ter pedido o tamanho XXXGGG, aí talvez subisse até minhas coxas pelo menos.
Mas aí, ao olhar minha imagem no espelho, num misto de toda aquela desgraceira e manequins tão pequenos que o INMETRO e a ABNT com certeza não aprovariam, me lembrei do seguinte:
Essas calças, assim como as outras 3 que comprei, custaram R$ 80,00 cada uma, então, no mundo em que vivo, fazendo as contas de quando custaram efetivamente pra mim, nos dias atuais do Brasil, levando em conta de que sou mais sovina que judeus, pelo menos eu acho, me olhei nos olhos no espelho, bem feio, e me ameacei falando a mim mesma:
Olha aqui dona Grazielle Christina, é bom que a senhora entre nessas calças nos próximos 5 minutos, por vários motivos: 
1 - Essas calças, assim como as outras duas, custaram R$80,00;
2 - Você está enorme e precisa emagrecer pra pelo menos conseguir encontrar roupas que entrem em você, nem precisam ficar tão bonitas, só precisam entrar;
3 - Daqui 5 minutos será 7 da noite, e as esteiras estarão todas ocupadas, pois as pessoas chegarão do trabalho, irão direto para a academia, e não sobrará espaço pra você...
Tomei vergonha na minha cara, fiquei com medo de tomar uma porrada de mim mesma, e, veja se você consegue visualizar essa cena gorda em sua mente:
Comecei a puxar a calça em pé. Depois de gotas de suor caindo do meu rosto, e muito esforço, as calças chegaram aos meus joelhos. Ufa! Agora só faltava o esforço correspondente aos outros 70% , coisa pouca.
Uma força monstruosa tomou conta de mim, sentei na cama, e forcei o cós da calça a se abrir mais e entrar nas minhas pernas. Mas deveria supôr que ao me esforçar tanto, iria suar ainda mais, e com as pernas suadas ficaria ainda mais difícil fazer a bendita modelagem elástica subir...
Uns 47 minutos depois consegui fazer aquela roupa de super-herói entrar no meu corpo de batata inchada...
He! Senti uma vibração interna fortíssima de felicidade... Felicidade sim, só quem está com o peso além da altura do Cristo Redentor pode saber da felicidade de uma calça GG entrar.
Mas ainda faltava o bendito top. Ô coisinha pequena e ruim de passar pelo pescoço e ombros num malabarismo com os braços, uma canseira, suadouro, e dor, claro né, tá achando que não dói colocar uma roupa do tamanho de um copo em um jarra???
Sabe como é você nem pôr a roupa direito e já estar encharcada de suor? Já ter gasto umas 1000 calorias vestindo seu enorme corpo? Isso só as FORTES entenderão... rsrsrs
Espero que fique mais fácil, com o tempo, pelo menos botar a roupa...

Bjs,

Grazi